sábado, 6 de novembro de 2010

Nunca me cansarei

Um dia disseram-me “nunca me cansei de ver as estrelas, porque o mundo nunca se cansou de sonhar”; tanta conformidade entre o pensamento e o seu objecto que estas poucas palavras nos trazem, ora não fossem os sonhos a base da felicidade de cada um. Diga-se, certamente, que esta actividade mental não dirigida nos poderá trazer algumas lembranças ao acordar. Eu digo que sonho muito com aquilo que vivo, pois gosto de conhecer o produto do devaneio, o que está além do alcance da minha mente; a ilusão que, mesmo que não passe disso mesmo, me rasgue um sorriso quando passar pelos grãos de areia que vou coleccionando nesta minha cabeça. Poderá ser ligeiramente utópica esta minha constatação, porém que nenhuma alma caridosa me venha dizer que não gosta de sonhar.
Eu gosto de me imaginar num outro mundo, numa outra dimensão se não aquela em que vivo; um local mais pacifista, justo e decente. Gosto de pensar que poderei chegar a esse mundo, mesmo que as minhas pernas já não tenham força para andar, mesmo que os meus olhos deixem de piscar, mesmo que o meu cérebro já não esteja em condições para pensar, mesmo que os meus pulmões deixem de receber oxigénio, mesmo que o meu sangue deixe de percorrer as minhas veias… mesmo que o meu coração deixe de bater. Gosto quando o meu subconsciente vai mais além e me relembra o que de bom esta vida nos traz.
Há uns tempos ofereceu-me um belo presente encantado cujo seu embrulho me atraiu de imediato. Cuido de tudo o que me dão, desde o mais pequenino detalhe, como forma de agradecimento à minha bela vida que se tem lembrado muito de mim ultimamente. Tu, que cuidas de mim exactamente do mesmo modo, fazes-me ver que esta vida dá muitas voltas e recompensa realmente quem merece; fazes-me ver que as estrelas retribuem o brilho que recebem e que vale a pena esperar pelo dia certo que dará início a uma nova etapa repleta de partilha e felicidade; fazes-me ver que vale sempre a pena colocar medos à parte e arriscar, agarrar o momento e desfrutar; fazes-me ver que o que sinto por ti e tu por mim é tão ou mais bonito que os sonhos, pois melhor que sonhar no que poderá acontecer no dia seguinte, é vivê-lo. E eu hoje vou adormecer a olhar para as estrelas, só para elevar a minha mente mais uma vez até ao mundo encantado que um dia me encontrará e para dormir encostadinha ao mesmo sentimento que vivo todos os dias ao teu lado, pois se são as estrelas que nos iluminam a noite e nos proporcionam estas brilhantes ilusões, então eu só pararei de sonhar no momento em que as estrelas morrerem.

Nunca me cansarei disto, está tudo tão certo.

3 comentários:

daniela costa disse...

já sabes a minha opinião, beijinho *

Vera Sousa disse...

Eu adoro os teus textos, mesmo! Fazem-me sempre bem à alma e deixam-me sempre mais encantada pela vida. Acho que deves seguir aquilo que sentes, sem dúvida, e se te faz assim tão bem, deixa-te viver isso*
beijinho catarina

a,r disse...

Adorei cada palavra que escreveste (: