quarta-feira, 25 de março de 2009

básico

E porquê tanta irritação? Porque descarregas a tua raiva naqueles que mais te apoiam e estão incessantemente do teu lado para te ouvirem e falarem contigo? Porque te afastas sem conhecer o motivo para tal, só pelo facto de teres medo de libertar tudo o que vai dentro de ti?
Eu respondo-te:
Sabes, aprendi uma nova filosofia de vida. Todos nós crescemos, e não crescemos apenas com o passar do tempo, crescemos com os nossos maiores erros. Pois por vezes o tempo passa, e a nossa cabecinha fica cinco degraus atrás na escada (eu sei que me percebes). Eu sinto a necessidade de errar para aprender e crescer. E sabes qual é o meu maior desejo neste momento? Largar tudo, afastar-me, libertar-me destes ares, estas angústias, estas pessoas. Melhor dizendo, estes clones. Sim, porque agora não somos pessoas, somos clones. Anda tudo com a mania de seguir modas, vestir-se como a miúda que apareceu na revista cor-de-rosa desta semana, andar como ela, ir às compras todas as semanas para nunca sair de moda, falar como ela… ai POUPEM-ME! Se há coisa que não suporto é falta de originalidade. Hoje fujo um pouco às regras de vocabulário, mas apetece-me. Não há liberdade para me expressar sobre tal, uma vez que são raras as pessoas que têm o mesmo pensamento que eu. Sabes, ando saturada, cansa veres constantemente as mesmas acções. a minha rotina anda absolutamente avariada das ideias e sinceramente não me preocupo muito. Lá por escrever sobre isto não significa que dê importância a tal – eu sei que a indiferença já é valorar algo e bla bla, I know, e graças a deus sou muito boa nas filosofias – mas, irrita-me. Pensem, de que vos vale serem todas iguais minhas meninas? E vocês, meus meninos, que vos adianta andarem todos com as calças descaídas, botas timberland, casacos da adidas e por aí adiante, eu se fosse a referir todas as marcas que todas as menininhas e menininhos usam não saía daqui nem amanhã! Cresce, aprende uma coisa: a aparência não forma a personalidade; convence-te que quanto mais deres importância a tal, pior personalidade terás. Mas força, continua a viver na ignorância, a vida é tua e tu és dono/a e senhor/a dela.
No futuro, quem irá triunfar sou eu. E sabes porquê? Porque fujo diariamente às futilidades, às aparências, aos materiais que te perseguem constantemente.
Básico, não?

1 comentário:

marianaqueirós disse...

este texto está mesmo...
básico, digamos.
está completamente convergente àquilo que nos converge (;
gostei, foste fazer "a curva da rua em que passas sempre.." (se é que me entendes.)
ILOVEYOU, cat(arina).