domingo, 20 de dezembro de 2009

entre palavras e segredos


 "Às vezes acho que são as palavras que se viram contra mim, exactamente nos momentos cruciais, aqueles em que elas, as palavras, me poderiam valer. Talvez as use com excessiva facilidade e as gaste com toda a minha pretensa eloquência. Ou talvez elas não representem quase nada, nem sequer o significado que lhes damos. O que contam são os actos - esses sim, falam mais alto - e o que nunca se ousou dizer, o que se guarda no peito durante dias, semanas ou anos, como um tesouro precioso e clandestino que perde o encanto e o valor se for revelado ou descoberto."
 
Há qualquer coisa de irresistível em ti. Algo que nunca quis que o vento levasse porque rejo-me pela lealdade e bons princípios que me transmitem a mensagem de que é sempre bom guardar uma pequena parte que simbolize o todo que nos fez, de uma certa forma, felizes. Não precisas de pensar como eu, sei que não pensas porque bons princípios não deve constar nem sequer no teu vocabulário, nem me importa se em algum momento da tua vida – ou da vida que foi nossa – pensaste desta forma. Importa-me sim guardar apenas o que me faz largar um sorriso naqueles momentos cruciais em que vem tudo à memória, nos dias em que me sento no meu sofá e penso. Infelizmente guardo pouco de bom porque o que existiu de mau excedeu os limites da bondade anteriormente realizada, o que por um lado é melhor; o que existe forte e em minoria, por vezes, é o mais agradável de recordar e o que menos vezes se recorda. O que me facilita muito a vida. Tenho pena que nem uma pequena ligação permanecesse ente nós, que nem de um simples cumprimento possamos usufruir porque vivemos formatados neste mundo, porque todos nós nos regemos por leis estabelecidas e barreiras construídas pelo orgulho que nos caracteriza. E tenho pena que a ligação que no inicio ainda era patente, tenha sido quebrada por ti, pela tua cobardia, pelo teu orgulho e pela tua frieza de pensares apenas no teu bem-estar. Digamos que foste inexacto em relação àquilo que pretendias retratar, reges-te pelas facilidades que a tua vida te proporciona e vais sobrevivendo assim – repito, sobrevivendo. Eu vou vivendo com a minha consciência tranquila, que nem o meu acto mais cruel chega aos pés do que me fizeste. Duvido seriamente das palavras que me transmitias e dos teus gestos que transpareciam o amor que sentias por mim. Se, afinal de contas, todas as minhas palavras nunca foram a ajuda que prendia que fossem para ti nem te agarravas a elas, porque razão eu deverei acreditar nas tuas palavras que, em tempos, enchiam o meu coração de felicidade? A pouco e pouco, comecei a perceber que não há respostas para tudo, que não há palavras que possam limpar o ponto de interrogação que por vezes se instala no nosso consciente. E tu és o causador da maior duvida que se instalou em mim e eu talvez tenha escolhido o caminho oposto para alcançar o entendimento, talvez te devesse confrontar mesmo que não o merecesses Ainda o tentei, ainda tentei fazer-te ver que confiei em ti pela terceira vez com o objectivo de criar a melhor relação possível e tu é que a traíste e recordo-me das últimas palavras que te disse pessoalmente, que provavelmente preferiste deixá-las voar em vez de as agarrares e lembro-me das lágrimas que me escorriam pela cara, de alguém que se sentia incapaz para mudar o que se atravessara à minha frente. Os tempos em que me sentia culpada do que me acontecia, esses, já foram, já os larguei muito conscientemente com a certeza de que não voltariam. Pois eu, chego à conclusão que prefiro guardar o teu lado irresistível para te poder abraçar de vez em quando e poder largar um sorriso em vez de largar uma lágrima. Tomara eu que as minhas palavras te absorvessem da mesma forma que as tuas me absorvem.
Sabes, “o pequeno mundo do coração é mais vasto, mais profundo e mais rico do que todo o Universo”, pensa nisto…

1 comentário:

marie ' (; disse...

escreves tao bem, dá mesmo gosto vir a este blog :$
podes dizer-me o nome da musica que tens aqui no blog, por favor? :)
beijinho.