domingo, 4 de abril de 2010

a vida é tudo ou nada


Do que eu tenho mais saudades é de acordar e não me lembrar de nada, não sentir o cheiro que ficou neste meu quarto nem recordar o nosso tremendo passado. Sinto falta dessa sensação de liberdade que já passou por aqui há uns tempos de monotonia parcialmente eterna que se fundiu em nada. A vida é mais difícil do que aparenta ser e torna-nos extremamente fortes em cada momento. Cada experiencia funde-se numa vida pois nunca se sabe se será a ultima que iremos usufruir e temos sempre toda a energia do mundo para repetir mil e uma experiencias que vivenciamos, mesmo que estas percam o seu gosto a espontaneidade ou que nem correspondam às mesmas emoções. Pois é, a vida dá muitas voltas e nós nunca nos damos ao trabalho de lhe atribuir uma pitada de importância.
Por me lembrar agora de atribuir algum peso a esta minha vida perco medos e rancores, afirmo que tenho saudades de sentir-te porque talvez seja esta a minha última oportunidade para to dizer. Não é que ainda goste de ti, o gostar ou não gostar não se discute pois sempre fui da opinião de que isso é muito subjectivo e que é uma injustiça torna-lo em palavras que provavelmente não serão as mais correctas para os justificar. O meu coração jamais bate por ti, isso é uma verdade. O meu coração está nas minhas mãos e bate pela minha vida, pelos meus sonhos e pela minha força de vontade de atingir a minha meta; se bem que, assim de vez em quando, ele escapa-me por entre os dedos e esconde-se de mim decidindo habitar por momentos em águas passadas e desabafa comigo, referindo que não sente saudades de bater por ti mas sim de te sentir perto de mim. É este o paradoxo, ligeiramente controverso e contestado que gera o que sempre existiu entre nós: apesar de ser fácil agarrar a nossa atracção e o nosso sentimento, sempre foi difícil lidar com a nossa presença um no outro, já por isso é que convergíamos exactamente no mesmo ponto de onde partíamos anteriormente. E agora, apesar de o nosso sentimento ser tão nulo quanto à nossa atracção, o vazio ainda se sente. Sei que me percebes e tu sabes que eu te percebo pois felizmente sempre tivemos a segurança de crer um no outro permitindo uma certa familiaridade e um atrevimento de expulsar tudo o que existe cá dentro.
O tempo passou mais depressa do que pensávamos, o nosso tempo foi escasso, não me canso de o referir pois todos os dias chego a essa tremenda conclusão que me faz afogar nas minhas próprias palavras e apercebi-me que já não vivíamos cada dia como se fosse o último. Mas foi graças a cada vida que me ofereceste de mão beijada que eu aprendi a construir a minha própria personalidade, mesmo naqueles nossos dias meios cinzentos que desperdiçávamos.
Agora observo-te de longe, sentado no chão agarrado ao teu vício e à tua música com uma tremenda vontade de correr para ti, aquecer o meu coração e sentir-te em meus braços. Não sinto saudades de gostar de ti, sinto saudades de te ter perto de mim quando queria. Talvez ainda não tenha aprendido a lidar com o nosso pequenino tempo, a conjugar os nossos verbos nem consiga lidar com a tua presença na minha vida de uma outra forma. Mas sabes, a minha vida pode acabar amanhã, ou até mesmo quando eu acabar de escrever este texto e jamais poderei dizer-te a falta que me fazes. Por isso, a próxima vez que eu te observar de longe, vir que sentes falta de um ombro que te apoie, eu estarei lá, a agarrar a nossa confiança e a aquecer a minha e a tua alma.
A vida é tudo ou nada e tu sempre foste a minha alegria da manhã, o meu perfume preferido e o meu sonho perfeito. Isto sim, deixa saudades e faz-me soltar um sorriso só por saber que foste um todo de uma experiência que construiu a minha vida.

3 comentários:

Joana disse...

"Por isso, a próxima vez que eu te observar de longe, vir que sentes falta de um ombro que te apoie, eu estarei lá, a agarrar a nossa confiança e a aquecer a minha e a tua alma."
Isso que fica e a tua vontade de nunca virar as costas a nada, mesmo depois de tudo o que aconteceu, mesmo depois de ainda existirem possibilidades de repetições, isso é lindo e tu sabes melhor que ninguém que nem toda a gente era capaz do mesmo*
ly!

Francisca disse...

está mesmo lindo este texto , dizes tudo nestas palavras fantásticas.
parabéns*

Francisca disse...

de nada :)
e , mais uma vez , parabéns*