sexta-feira, 5 de setembro de 2008

(3h13 a.m)


Estou neste preciso momento embrulhada em papéis escritos, rasgados, repletos de sentimentos e sou incapaz de pegar neles com a minha própria delicadeza e deitá-los fora. Estou seguindo a letra da música para tentar interiorizar na minha mente certas acções mal explicadas. Deixa-me ver se aguento mais umas horas acordada (...) "Sai mais um café para mim, se faz favor" , tentando fingir que está alguém acordado, mas não.
A noite é cada vez mais escura, as estrelas vão desaparecendo lentamente, até permanecer só a estrela mais cintilante, a mais "chamativa", a mais "verdadeira". Sim, as estrelas guardam segredos. Eu cá, confesso, tenho o saudável vício de comparar estrelas com árvores. Chamem-lhe o que quiserem. E a lua ? Essa é invisível aos meus olhos. E as nuvens? Essas são impossíveis de alcançar. Esfrego novamente os meus olhos, talvez seja o sono que não me deixa ver certas coisas. E se o sono permanece-se em mim 24horas sobre 24horas? Será que taparia também sentimentos, momentos desagradáveis? Eu sei lá, um dia hei-de pedir ao sono para ficar sempre em mim.
Eu não me acredito em histórias de príncipes encantados, de felicidade eterna, de amores correspondidos, histórias de "meninas". Eu não me acredito no famoso "para sempre", não me acredito em palavras ditas da boca para fora, mas que não são completadas com acções. Se calhar já cheguei a acreditar, mas isso não importa. Já não importam as noites acordadas a desabafar, com as lágrimas a quererem-se soltar, já não importam os sorrisos trocados, os olhares, os "meus e minhas" . É tudo demasiado abstracto para neste momento, entrar na minha cabeça. É duro dizer, mas é a mais pura das verdades. Eu um dia ainda cheguei a acreditar em tudo o que me faziam sentir, teria eu os olhos tapados? E se o tempo voltasse para trás, será que seria tudo igual? Oh, ninguém tem respostas para isto, esqueci-me de que agora somos todos uns fracassados, uns sem sentimentos, uns descartáveis, uns fúteis. são as (simples?) banalidades do dia-a-dia.




(Espera, eu tenho um desejo, hei-de pedir na próxima noite à estrela que permanecerá mais tempo acordada. "Oh tempo, volta pra trás e faz-me acreditar na ingenuidade de outros tempos,novamente".)

7 comentários:

joanamoreira, disse...

"Oh tempo, volta pra trás e faz-me acreditar na ingenuidade de outros tempos,novamente"

essa tua (belíssima) forma de usara as palavras , no momento certo, sabes que adoro.

AMO-TE miuda !

catji : ) disse...

esta lindo o texto : )

amo-te catarina <3
(tenho saudades tuas)

Liia disse...

está lindo compal, lindo (:
amo-tee meu amor.

Liia disse...

já pra não dizer que a tua ingenuidade é aquilo que mais bonito ha dentro de ti.

Liia disse...

siim , pqe ainda a tens (hoje ja te fiz 3 comentários, pqe me esqueço sempre de alguma coisa)

Anónimo disse...

não existem palavras para descrever o quanto gosto desse teu jeito para a escrita.
estarei sempre aqui , contigo !
( cs «)

isfb disse...

e nessse teu mundo onde libertas toda essa fúria e emoções , não as escondas mas sim partilha.
serás sempre tu minha (L)
( nez )