sexta-feira, 20 de novembro de 2009

dissabores


"Amado, meu amado,
o que regressou de ti
é a tua sombra
dividida ao meio
é um antes de ti
as falas amargas
como os frutos"

És amargo. Perdeste a doçura que me fez deliciar por ti. És sem coração.
É verdade que muitos não merecem metade do que recebem e tu não mereces nem metade do respeito que recebes pelas pessoas que te rodeiam. És amargo.
És capaz de agir sem pensar nas consequências dos teus actos, pois gostas demasiado de seguir à regra o lema de vida que te acompanha. És sem coração.
Não vou dizer que misturas os sentimentos todos que sentes à flor da pele porque não conheces, nem de longe nem de perto, a definição do verbo “sentir”, ou então manipulas demasiado as tuas palavras quando os pronuncias. És amargo.
Há coisas que nos vêm parar às mãos e desaparecem com a mesma facilidade que apareceram, outras que permanecem connosco e outras que apenas aparecem quando lhes convém. Cá eu não gosto lá muito das que pensam que podem ficar apenas quando lhes apetece e o meu mal foi, sem dúvida, aceitar sempre a presença de quem queria ficar. E digo-te já, meu caro, que nem te passe por essa cabeça de minhoca lembrares-te de vires parar à minha mão outra vez porque gosto muito de bater palmas, logo, não te aconselho a ficares neste local. Fica lá nas mãos de quem quiseres, tenho pena que ninguém te manuseie da mesma forma como tu manuseias as pessoas.
Há pessoas que valem a pena. Há pessoas com coração. Há pessoas que não perdem a doçura que as reveste dia sim dia sim. Há pessoas que não se contentam com intermédios e sabem esperar, sabem lidar com os seus sentimentos porque sabem sentir, sabem prevalecer o que se constrói porque demonstram esforço para tal. Não basta querer e não basta sentir, mas quem sabe sentir e quem sabe definitivamente o que quer sabe manter uma boa construção por muito e muito tempo.

Julgo que tudo isto se funde nos gostos: há coisas gostosas que são amargas e coisas amargas que parecem gostosas e como eu não funciono muito bem com a amargura das pessoas, deixei de funcionar contigo. Jamais funcionarei, és amargo, sem coração. Mereces alguém ao teu lado que também o seja, ou talvez nem isso.

3 comentários:

MariaM. disse...

Pena mesmo esse mundo repleto de pessoas com um grande embrulho colorido, mas com um recheio foleiro...

Adoro os teus textos linda :)

Verinha disse...

Há demasiadas desilusões que só se descobrem depois de boa bonança. É triste, mas toda a vida vivemos assim, porque realmente o pior da vida, bem como o mais essencial, é a vivência estes mortais de cá e de lá.
Um beijinho enorme * e escolhe sempre o que é doce!

Marilena' disse...

adorei +.+