sábado, 2 de janeiro de 2010

irmã da vida


Por muitas vezes que eu diga que não existem palavras que definam amizades ou completem sentimentos, não as consigo abandonar porque tornam-se nas minhas fieis companheiras e senhoras dos meus desabafos. E usufruo delas à minha maneira, seja da forma mais objectiva possível ou criando uma leitura obrigatória das entrelinhas. Ou então ofereço-as a alguém, como os presentes de Natal que contam a intenção e boa vontade de os dar, eu embrulho os meus segredos com aquele papel da confiança que sinto por ti e entrego-te, mão a mão, para que, quando as doze badaladas da noite soarem e precisares de algo que te suporte a alma, possas abraçar o presente que te dou como que um pilar da casa que construímos dia após dia.
A vida dá muitas voltas. E a verdade é que em cada volta que ela dá, aparecem novas pessoas, novos mundos e novos ambientes e nós adaptamo-nos a tudo o que nos aparece à frente pois é a lei da vida, aceitar tudo aquilo que a vida nos proporciona. Pelo meio de todas as novas caras que se apresentam, há as habituais, as que em todas as voltas da vida se agarram a nós. E a essas, a quem nunca vira costas, nunca nos deixa no meio da rua sozinhos, nunca falha uma promessa ou compromisso, nunca deixa de falar independentemente das más situações que se passaram, devemos sempre o nosso mais grato apoio, a nossa confiança e a nossa promessa de, não para sempre, mas sim sempre que possível, estar lado a lado, partilhar o que de bom temos e apagar as mágoas sentidas. E é um orgulho, para mim, ter-te como a minha mais fiel aliança.

3 comentários:

Marilena' disse...

Gostei tanto +.+

luisinha disse...

que liiiindas:)

Ana Filipa Silva disse...

É tão bom termos os amigos por perto... :)

Linda amizade :D

Beijo :*